Mercado de trabalho durante e pós pandemia

Apesar da pandemia já durar 14 meses, estamos todos ainda nos adaptando ao abre e fecha de lojas, indústrias e escritórios. No meio do caos que nossa vida se tornou, tivemos que nos adequar aos novos tempos e muitos começaram a trabalhar no regime de home office. 

Algumas empresas já vinham implementando esse sistema, mas apenas um ou dois dias da semana e, a maior parte dos empresários, sempre foi bastante resistente a esse modelo (“o boi só engorda sob os olhos do dono”, é um ditado popular como se todos somente trabalhassem sob as vistas do chefe). 

O fato é que com o isolamento social imposto por alguns governadores e prefeitos, muita gente, especialmente as pessoas com cargos de gerência ou mais altos, passaram a trabalhar de casa e, surpresa! Hoje muitas delas, mesmo podendo voltar aos escritórios, estão optando pelo home office. 

Uma das gratas surpresas foi que, para muitos a produtividade aumentou, mesmo estando em casa, misturando assuntos domésticos e triviais como as compras da semana, quem vai cozinhar, lavar a roupa, etc. Mas nem todos pensam assim e alguns se sentiram sobrecarregados e preferem voltar aos escaninhos e salas de reunião, mesmo com a obrigação de usar máscara e manter distância física. 

O fato é que, a partir de agora este tipo de sistema, exceto para aqueles que precisam estar no escritório, loja ou indústria, chegou para ficar. Por um lado, a empresa economiza o aluguel de escritórios e a manutenção deles. E ganha o funcionário que não perde tempo e nem se estressa no trânsito para ir ao trabalho, além de economizar com as despesas de transporte e alimentação. 

O que se percebeu foi que a mensuração do trabalho pode se dar agora por tarefa feita e entregue no prazo solicitado e não mais por horas cumpridas na empresa. Agora se vai direto ao ponto que é a realização do trabalho, independente de onde foi feito e quantas horas se levou para completa-lo.  

O trabalho ficou mais flexível. Agora, mesmo os processos seletivos, que antes poderiam levar muito tempo com entrevistas, reuniões e processos presenciais, ganharam mais agilidade pois são feitos à distância, por meio de ferramentas como o Zoom ou Skype. Alguns gerentes de RH – Recursos Humanos – já relataram que o processo encurtou e ficou mais ágil: o que se fazia em dois meses pode ser realizado em apenas 20 dias. 

Cuidados nas reuniões virtuais

Nesse tempo todo, quem já não se divertiu vendo “memes” de reuniões interrompidas por um bebê engatinhando, um gato que resolveu passear sobre o teclado do computador ou até mesmo um companheiro seminu, distraído, saindo de uma porta, visível no monitor? Há que se ter alguns cuidados, especialmente em reuniões seletivas para emprego.

Antes de tudo, convém separar um canto da casa, com uma parede lisa (ou com quadros bonitos ou uma estante de livros, arrumada). O que importa é que o fundo visto seja limpo ou bem decorado. Nada de armários com portas abertas, roupas penduradas em cabides ou qualquer coisa que distraia seu interlocutor ou que dê a ideia de desleixo. Não pega bem numa entrevista de emprego, certo?

Se tiver um “ring light”, aquelas lâmpadas redondas, que parecem de maquiagem, sua luminosidade dará, quando colocada entre o smartphone ou atrás da tela do computador, um visual mais agradável. Luzes mal direcionadas podem fazer as pessoas parecerem cansadas ou doentes. 

Procure estar com a peça de cima da roupa mais arrumada e as mulheres podem fazer uma maquiagem leve, apenas com corretivo, rímel e batom. Nada de make carregada demais. Não se esqueça também de pentear o cabelo. 

Qualificação e repertório

Já falamos que o universo corporativo se transformou com a pandemia e que é preciso se adaptar. Agora o que importa é o TRABALHO que você realiza. E para estar sempre em dia, qualificação é fundamental. Invista em cursos de extensão, de qualificação, de especialização. Há diversos e muito bons, online. Vale também se informar por meio de palestras, webinar, podcasts. 

Outro ponto importante: esteja ligado ao que acontece ao seu redor, invista em outros tipos de curso (culinária, literatura, música, artes plásticas), aumente seu repertório. Esteja a par do que acontece na política (você não precisa virar o chato ativista, mas saiba quem é quem, o que acontece aqui e no resto do mundo), no entretenimento. Saiba qual é a série de streaming da vez. A propósito: para quem trabalha com moda, a série do momento é Halston, da Netflix. Não se fala em outra coisa. 

Com todas estas observações, as vantagens de se trabalhar remotamente, de se adaptar aos novos tempos são inúmeras, inclusive poderá te dar tempo de fazer aquela aula de yoga ou meditação que você tanto queria, ou talvez caminhar num parque próximo entre uma tarefa e outra. Há um tremendo ganho de qualidade de vida. Experimente!

Por: Marta De Divitiis

Autor

Compartilhe